Relato do Aprovado: Norma Moura – Juíza do Trabalho

Por  •  26 mar 2010  •  Relato do Aprovado  •  27 Comentários
Juíza Norma

Meu nome é Norma Gabriel Oliveira dos Santos Moura, tenho 35      anos, sou casada, estou em vias de me tornar mãe, aguardando a     chegada da Carolina, e ocupo o cargo de Juíza do Trabalho. Sou formada em Direito, tendo concluído minha graduação em 1998. Nasci e cresci em Santos e, como faço parte da 10ª Região da Justiça do Trabalho, atualmente atuo em Brasília.

Antes de me tornar Magistrada, fui Procura Municipal. Além deste cargo e do meu cargo atual, havia sido aprovada para Oficial de Justiça do TRT da 15ª Região.

Passei para a Magistratura do Trabalho em agosto de 2009, tendo tomado posse no dia 23 de setembro do mesmo ano.

Comecei a me preparar para concursos em 1999, ou seja, levei dez anos até passar no concurso do cargo que ocupo atualmente. No entanto, após iniciar o meu processo de preparação, fui impactada com notícia de que minha irmã estava com câncer. Ela acabou vindo a falecer, o me tirou da rota de estudos.

Em 2001 retomei a preparação para concursos. Porém, especificamente para o concurso de Juiz, comecei a me preparar de forma mais direcionada em 2003. Não cheguei a montar um planejamento muito preciso, pois era meio desorganizada, o que considero ter sido um grande equívoco. Nos meus estudos procurava valorizar as matérias consideradas mais importantes no meu concurso pretendido, mas não tinha uma seqüência pré-estabelecida de matérias a serem estudadas. Entendo que a técnica de estudo mais eficiente consistia na leitura associada à elaboração de resumos, porém, reconheço que isto demandava muito tempo. Assim, em algumas ocasiões me limitava à leitura e sublinhar textos.

Estudava por manuais e também jurisprudência. A esta altura da minha trajetória de candidata, eu era Procuradora Municipal, atuando na cidade de Mauá e residindo em Santos. Assim, levava cerca de duas horas para ir ao trabalho, mais duas horas de retorno, fazendo tal trajeto de ônibus, de modo que neste tempo procurava estudar jurisprudência.

Fiz dois cursos preparatórios, do modelo presencial com um conteúdo mais genérico. Também fiz um curso específico para a prova de sentença. Um desses foi o do Prof Homero Mateus, em São Paulo. Por assistir as aulas, chegava em casa à meia noite, para acordar às 05:00 hs da manhã do dia seguinte. E mais, para me deslocar tinha que pegar ônibus, trem e metrô.

Durante um tempo participei de um grupo de estudo virtual. Pela dinâmica estabelecida, cada membro contava com a obrigação de responder determinadas questões de provas, havendo o compartilhamento e discussão das respostas. Considero que o mais importante desta atividade foi a obrigação de redigir as respostas, vez que se tratava de um compromisso. Entendo que é muito importante que o candidato esteja redigindo, para se sair bem em provas dissertativas, pois não basta estudar, é preciso saber como passar a informação para o examinador.

Enquanto morava com meus pais, sempre estudava na biblioteca, pois não havia condições de estudar em casa, em função da movimentação, sendo que após me casar já era possível estudar em casa. Mas considero que, efetivamente, o local mais adequado aos estudos é a biblioteca, não apenas pelo ambiente, mas também pelo clima.

Ao longo da minha trajetória de candidata, experimentei diversos momentos de desânimo. Além da morte da minha irmã, passei por uma experiência que foi muito difícil. Houve um concurso em 2007 que contou com uma quantidade expressiva de candidatos aprovados, sendo que eu estava certa de que passaria. Mas não passei. Foi muito difícil conviver com aquilo. Chorei bastante. Daí resolvi dar um tempo do objetivo do concurso. Não conseguia compreender como depois de tanto sacrifício não havia passado. Estava desde 2001 naquela batalha. Perdi seis casamentos de grandes amigas, em função da coincidência com a data de provas. Minha família, com exceção dos meus pais, nem sabia mais da minha existência, pois não comparecia a eventos familiares.

Portanto, resolvi não estudar e não mais fazer provas por um tempo. Nesta ocasião, havia passado na primeira etapa do concurso para Juiz da 10ª Região, mas havia decidido que desistiria. Daí uma amiga ligou na minha casa para indagar se poderia comprar as passagens para ir fazer a prova da segunda fase, sendo que meu marido atendeu e disse para comprar. Cheguei a brigar com ele, o qual insistiu que eu deveria tentar ao menos mais aquele concurso. Pois foi neste que passei!

Ainda durante a minha vida de candidata, também tive que enfrentar diversas dificuldades. A principal delas era a falta de tempo. Estudava das 20:00 às 23:00, de segunda a sexta-feira, acordando às 05:00 hs para trabalhar. No sábado estudava mais 05 horas e descansava aos domingos. Mas não perdia tempo reclamando, até pelo pouco tempo que já tinha. Entendo que o candidato deve lutar com o tempo que tem. Alguns tem mais, outros menos, e a falta de tempo não é motivo para não se manter na busca do cargo pretendido.

Soube da notícia da aprovação na sessão do Tribunal voltada à proclamação do resultado. Cheguei a pensar em não assistir, mas fui em frente. Foi uma alegria enorme! Porém, a ficha demorou para cair. Além de comemorar com a minha família, paguei as promessas que havia feito. Fiz uma promessa para a Santa Bakhita, a qual foi canonizada por ter feito um milagre em uma santista, sendo, portanto, muito adorada na minha cidade.

Quanto aos conselhos aos candidatos, minha principal recomendação é: nunca desistam! Eu não me considero enquadrada no padrão de inteligência além da média, não sou de família influente e me tornei Magistrada graças ao esforço e persistência. Além disto, é preciso entender que cada candidato tem o seu tempo. Alguns passam com menos tempo, outros com mais tempo. Mas o fato é que a aprovação um dia chega!

Para concluir, ficam os votos de sucesso aos leitores do Blog do Prof Rogério Neiva!!!

27 comentários até agora. Deixe o seu.

  1. Antonio Carlos disse:28 mar 2010 às 12:15 am · Responder

    Realmente, isto é o que chamo de um relato empolgante e motivador. Para mim foi um grande empurrão ter lido este texto. Parabéns à Dra Norma e obrigado ao Dr Neiva!

  2. Carla Valadares disse:28 mar 2010 às 12:17 am · Responder

    Muito bom! Não há dificuldade que não se supere para quem luta pela aprovação. Parabéns à Juíza!

  3. Kelly Cristina disse:28 mar 2010 às 9:49 pm · Responder

    Parabéns pela tua história. Pode ter certeza que é uma lição de vida. Vc não tem idéia de como me ajudou ler esta mensagem, pois hj saí de uma prova arrasada e decidida a desistir da luta e chego aqui e leio isso, é p/ levantar a cabeça e continuar a caminhada… Espero ter um final feliz também… Que Deus abençoe vc e sua família.

  4. Helga Maria disse:31 mar 2010 às 12:23 pm · Responder

    É, o negócio é lembrar que o importante é nunca sair da fila da aprovação.

  5. Angélica Lima disse:31 mar 2010 às 9:56 pm · Responder

    São relatos como este que nos impulsionam nessa tragetória tão difícil. Parabéns, Dra. Norma, você realmente é a personificação do sucesso…Que Deus lhe abençooe em sua carreira.

  6. Roberta disse:4 abr 2010 às 7:15 pm · Responder

    Relato empolgante e verdadeiro. Obrigada por suas palavras e que Deus continue lhe proporcionando muitas realizações, ainda mais agora, com a chegada de sua filha.

  7. Maria Regina disse:13 abr 2010 às 4:17 pm · Responder

    Dra. Norma,
    Muito obrigada pelo seu relato. O meu tempo de preparo é parecido, todavia me acompanham três filhas maravilhosas e meu papel de mãe e pai, o que aumenta o custo para aprovação.
    Dr. Neiva,
    Obrigado por abordar o tema pois tento me recuperar de um concurso para Advogado da União que não me classifiquei por erro de interpretação do meu “c” e do meu “e”, invertendo nove questões que me permitiriam a classificação com folga e a chance de ter minha prova escrita corrigida, e quem sabe já estar exercendo o referido cargo,porém o agravante é que desde lá não logro sequer chegar na nota de corte. Tem sido um desfio enorme e muitas vezes cedo ao cansaço e o desânimo,meus maiores adversários. Não obstante, tenho uma certeza de que não desistirei até alcançar meu objetivo. Sou grata pela existencia de pessoas tão iluminadas e maravilhosas que nos auxiliam a perseverar. Muito obrigado, Prof. Neiva.Regina.

  8. Bianca disse:14 abr 2010 às 1:41 pm · Responder

    Hoje estava muito desanimada, cheguei a dizer que desistiria, mas ao ler este relato minha motivação voltou. Obrigada

  9. Luciana disse:14 abr 2010 às 3:47 pm · Responder

    Dra Norma Parabéns pela conquista e pela chegada de sua filha! Fiquei impressionadíssima c suas palavras, relatos verdadeiros, q só quem passa por tudo isso sabe a tamanha dificuldade..Essa realidade q nos impulsiona e nos motiva para não desistirmos dos nossos objetivos! Sucesso!!!

  10. Roberta disse:14 abr 2010 às 10:12 pm · Responder

    Bom o que eu posso dizer da Norminha.
    Minha querida amiga que durante 4 anos dividiu comigo alegrias e tristezas na Procuradoria do Município de Mauá.
    E ela não contou boa parte do sacrifício que fez para estar aonde está.
    O que posso dizer é que ela é uma vencedora e principalmente motivadora de muitos ao estudo.
    Eu mesma continuo estudando por tê-la como exemplo.
    E mesmo com uma filha de 01 ano diagnosticada com uma doença grave não desistirei.
    Tenho certeza que no futuro minha filha terá orgulho de mim, assim como a Carolzinha terá muito orgulho da mãe e do pai que tem.
    Beijos Norminha.
    Em breve a Carolzinha animará seus dias.

  11. Gianne disse:15 abr 2010 às 12:34 pm · Responder

    É realmente difícil nos manter em linha reta quando estamos desanimados, sem muita perspectiva, mas o depoimento da nobre colega doutora Norma é animador e nos dá um alento muito grande. Parabéns a ela pela conquista e vamos em frente, porque como ela mesma disse, a aprovação, um dia, chega! Abraços a todos!

  12. Cesar disse:19 abr 2010 às 10:37 pm · Responder

    Obrigado pelas palavras, Dr. Norma. Tenho passado muitos momentos de desânimo e desespero no meu trabalho e principalmente porque estou nessa jornada do concurso há 5 anos, somente há 1 ano e meio consegui passar para Procurador autárquico, hj, como vc foi, sou Procurador Municipal.
    Já fiz 1 prova oral de Defensor e 4 provas subjetivas de procurador do estado. Já fiquei por 2 itens na AGU, por 3 questões na PFN, mas com fé em Deus voltarei pro caminho rumo a aprovação.
    Valeu pelo depoimento.

  13. Nila Guimarães disse:30 mai 2010 às 1:11 pm · Responder

    Parabéns menina linda.
    Sua garra e seus esforços não foram em vão.
    Que Deus continue te abençoando, muito e sempre.

  14. Lisiane disse:11 nov 2010 às 1:04 pm · Responder

    Prof. Rogério,
    Muito obrigada por disponibilizar esse espaço para essas publicações de relatos… o relato de Dra. Norma foi uma injeção de ânimo em minhas veias… tenho uma história parecida com a dela e o mesmo sonho de ser juíza. E às vezes penso em desistir. Já imprimi esse relato de sucesso para deixar na bolsa e ler sempre que o desânimo me atacar!
    Que Deus abençoe a todos!

  15. Rogerio Neiva disse:19 dez 2010 às 6:41 pm · Responder

    Acho que nem a Dra Norma imaginava o quanto o seu relato seria motivador!
    Também deixo aqui minhas congratulações à minha colega e publicamente os agradecimentos por dispor do seu tempo para este relato.
    Seguramente o fez pensando da colaboração que estaria proporcinando!

  16. Thiago disse:6 jan 2011 às 11:55 am · Responder

    Dra. Norma,
    Vou ser direto: muito obrigado! Você fez a diferença na minha vida de concursando.

  17. MAURO SERGIO PESSANHA disse:16 out 2011 às 12:05 am · Responder

    Dra Norma, parabéns e muita luz para senhora e sua família. Só quem está na labuta do concurso público a muito tempo sabe como ele é desestimulador para o candidato. Soma-se a isso, as reprovações que às vezes são inevitáveis. Mas, é lendo esse relato, que faz com que a gente não deixe de sonhar com aprovação. É verdade que cada um tem o seu tempo, isso nos não podemos discutir. Uns passam mais rápido e outros nem tanto. Mas a grande verdade é que: se conserguirmos vencer o desânimo, o cansaço, a baixa auto-estima e, principalmente, o tempo chegaremos lá.
    obrigado doutrora pelo depoimento, mais uma vez parabéns, muita saúde e sucesso nessa brilhante carreira.

  18. Sandra MM disse:20 nov 2011 às 12:50 am · Responder

    Olá Dra. Norma, parabéns pela vitória e que Deus a abençoe muito e a sua família também. Sou divorciada, tenho 2 filhos do primeiro casamento. Eu me formei em 98 e desde então estava firme nos meus estudos para magistrada, passando, inclusive, em algumas fases… até que, infelizmente,em 2003 conheci meu segundo marido, sendo que foi um relacionamento de 8 anos muito conturbado, culminando no meu segundo divórcio..durante esse período “travei”; não conseguia estudar como estudava antes.. até tentava, mas nunca mais passei em nada!.. Agora, novamente divorciada, pretendo retomar os meus estudos; trab no TJSP (sou escrev.) e quero poder transformar o meu sonho em realidade! Ainda estou meio abalada com os acontecimentos recentes que motivaram o fim do meu casamento, mas quero levantar a minha cabeça e seguir em frente.. Agora além dos meus dois filhos tenho três netos que são a minha motivação para continuar.

    • Rogerio Neiva disse:21 nov 2011 às 2:00 pm · Responder

      Cara Sandra,
      Se inspire no relato da Dra Norma e não desista!
      Abcs!

      • Norma disse:22 mar 2013 às 10:01 am · Responder

        Dr. Rogério e demais alunos,
        Gostaria de parabenizar o Dr. Rogério Neiva por esse espaço.
        Em dezembro de 2010 permutei do TRT da 10ª Região para o TRT da 2ª Região (SP).
        E qual não é o meu espanto quando alguns advogados-concurseiros chegam na sala de audiências e me cumprimentam sobre o meu relato no Blog após mais de dois anos que conversei com o Dr. Rogério.
        Quero agradecer, de coração, ao Dr. Rogério por essa oportunidade que tanto me alegra. Saber que consegui incentivar alguns alunos me deixa profundamente feliz.
        E por essa felicidade toda agradeço publicamente ao Dr. Rogério, excelente professor e magistrado, com quem tive o privilégio de trabalhar junto, mesmo em curto período.
        Obrigada Dr. Rogério.
        E para os alunos do Blog, continuem na luta, que a vitória um dia chega!
        Saudades do TRT da 10ª…
        Um grande abraço a todos,
        Norma Gabriela O. S. Moura

  19. Lorena disse:21 mar 2013 às 5:08 pm · Responder

    Obrigada, Norma. Não sabe o bem que me fez… Tenho me sentindo muito cansada dessa vida de concurseira. Mas persistirei, como você.

  20. Ana Rojas disse:29 mar 2013 às 4:56 pm · Responder

    Norma, lembro-me de você na Faculdade. Minha irmã caçula era da sua classe. Soube da sua aprovação pelo Dr. Homero e fiquei muito feliz, pois sabia do seu esforço. Fiquei muito emocionada com o seu depoimento. Obrigada pelo incentivo. Abraços, Ana Rojas.

  21. Rita disse:19 abr 2013 às 4:32 pm · Responder

    Nossa, estou vivendo esse momento de desânimo, quase 8 anos estudando, mas ainda não alcancei o cargo pretendido. Esse depoimento me fez ficar com a certeza de que dá certo, seja porque nossa trajetória é parecida, pois também sou procuradora em uma uma cidade distante da qual eu moro, seja porque sou da mesma região da aprovada. Obgda. Vale a pena continuar, essa foi a lição.

  22. Andrea disse:3 nov 2013 às 6:45 pm · Responder

    Fiquei com uma vontade enorme de persistir e não parar. Realmente o cansaço do dia a dia e outras dificuldades muitas vezes te fazem pensar em não mais tentar. Porem, qdo nos deparamos com histórias de vidas tão semelhantescomeçamos a despontar a esperança de que podemos sim um dia conseguirmo. Basta que não desistamos.

  23. Norma Moura disse:27 mar 2015 às 9:51 pm · Responder

    Fico feliz de saber que no planeta terra existem tantas normas batalhadoras, inteligentes, parabéns!
    Norma Moura

  24. Luciana Nastri disse:2 jun 2015 às 3:40 pm · Responder

    Parabéns duplamente! Primeiro pela persistência nos estudos e a aprovação! E em segundo e mais importante pela maternidade! Que Deus abençoe muito você e seu bebê! Eu já sou mãe de um bebê de dois anos…meu tempo para estudar é quando ele dorme… Ou enquanto amamento…sim, ainda armamento..RSS..meu sonho profissional é me tornar juíza do trabalho…você ( desculpa a intimidade Vossa Excelência pode me enviar algumas dicas de o que estudar e como memorizar o que já estou após um ano por exemplo.. Eu já tenho 41 anos e 15 como advogada…mas o que eu sou melhor é ser mãe.. Se precisar de docas será uma honra!

  25. Lara disse:11 mar 2016 às 3:25 pm · Responder

    A senhora concluiu a graduação em 1998, aos 18 anos?!

Deixe um Cometário