Depoimento do Aprovado: Juíza Rita Manzarra

Por  •  9 set 2011  •  Relato do Aprovado  •  19 Comentários
concursos-públicos-relato-depoimento-aprovado-concurso-juiz-marigtratura-do-trabalho-rita-manzarra

Nome: Maria Rita Manzarra de Moura Garcia

Cargo: Juíza do Trabalho Substituta da 21ª Região (RN)

Idade: 30 anos

Estado civil atual: solteira.

Cidade onde mora/lotação: Resido em Natal e desde o início do ano fui designada para atuar, nesta capital, como Juíza Coordenadora da Central de Apoio à Execução – CAEX e Juíza Auxiliar do Setor de Precatórios.

Cidade de origem: São Paulo – SP.

Data da Posse: 20.10.2006 .

Cargos ocupados anteriormente: Procuradora do Estado da Paraíba, nos anos de 2005 e 2006.

Formação: Graduada em Direito (1999/2003) pela Universidade de Fortaleza e pós graduada (especialista) em processo penal, processo do trabalho e direito do trabalho.

Concursos aprovados anteriormente: Procurador do Município de Maracanaú-CE, advogado da Infraero, Procurador do Estado da PB.

Data de aprovação no cargo atual: A aprovação ocorreu no ano de 2006, mas não sei precisar o mês.

Quando começou a se preparar para o concurso atual: Colei grau no meio do ano de 2003, com 21 anos e, naquela oportunidade, ainda não sabia ao certo o que queria.  Decidi focar primeiramente o exame da OAB e parti para um estudo “horizontal” das matérias, utilizando livros mais simples e não aprofundando muito as matérias. Após a aprovação, decidi, no início de 2004, a estudar para concurso público, focando inicialmente a carreira do Ministério Público.
Fiz o primeiro concurso, do MP-RN e perdi na penúltima fase. Fiquei bastante desiludida com Direito Penal (errei a capitulação do crime na denúncia) e resolvi tentar outro concurso que não priorizasse tanto o estudo dessa matéria. Meses depois dessa reprovação, prestei concurso para Procurador do Estado da Paraíba. Estudava bastante, cheguei a estudar onze horas por dia, de segunda a sexta e, aos fins de semana, umas três horas, no máximo, em cada dia.
Quando fui aprovada na primeira fase da PGE-PB, estava trabalhando em um escritório de advocacia, no qual permaneci por apenas um mês, pois senti necessidade de mais tempo de estudo para me preparar para a segunda e terceira fase do concurso. Logrei aprovação em quinto lugar e após um ano e meio de exercício da profissão resolvi retomar os estudos e tentar a magistratura trabalhista.
Voltei a estudar, tentando trabalhar meio expediente e ficar estudando no outro, o que nem sempre foi possível em razão de audiências e volume de serviço. Em menos de três meses obtive aprovação.
O primeiro TRT que fiz foi o da Paraíba, mas perdi na prova de sentença. Tentei o TRT do CE, passei na primeira etapa e não cheguei a realizar a segunda, haja vista que a data designada para esta prova era muito próxima àquela prevista para a prova oral do TRT RN, o qual resolvi priorizar por estar em uma fase mais avançada.

Como estudou:

- montou planejamento? Sim. Tinha por meta estudar 60 páginas por turno. Se tivesse o turno da manhã livre, estudava as sessenta. Se possuísse o turno da manhã e da tarde, 120 páginas. Só parava quando atingia a meta. Não interrompia os estudos nem para atender telefonemas. A alimentação ocorria em horários pré determinados.

- fez cursinho? Fiz. Um cursinho tão logo me graduei e depois uma pós graduação que me preparou muito bem para concursos na seara trabalhista.

- estudou em grupo? Não. Sempre gostei de estudar sozinha, sublinhando com marca texto e fazendo anotações no próprio livro. Tinha por hábito ler o livro de capa a capa e dividia a semana estudando duas matérias, por exemplo, processo civil pela manhã e administrativo à tarde.

- estudava em biblioteca? Não. Sempre estudei em casa.

- estudava quantas horas por semana? Sempre fui muito disciplinada, no entanto, me guiava pela quantidade de páginas e não por horas. Evitava passar um dia inteiro sem estudar para não perder o hábito.

O que faria diferente: Como quis passar rápido (o que ocorreu, pois comecei a estudar em 2004 e obtive aprovação no concurso da PGE no mesmo ano), exagerei e não fazia sequer academia. Almoçava comidas rápidas, o que me rendeu alguns quilos a mais e aumento na taxa do colesterol… Se fosse hoje, tentaria imprimir mais descanso, disciplina alimentar e algum lazer nas rotinas de estudo.

Houve momentos de desânimo? Sim. Recordo que chorei algumas vezes em cima dos livros, perguntando se daria certo e imaginando quantos mais preparados que eu por aí existiam, no entanto, enxugava as lágrimas e continuava a leitura.

Chegou a pensar que não passaria? Muitas vezes… Nunca fui daquelas concurseiras super confiantes…

Principais dificuldades: algumas matérias sequer abordadas na faculdade, logo, tive que estudá-las pela primeira vez. A outra grande dificuldade era de ordem pessoal, meu pessimismo, falta de confiança. A família ajudou nessas horas, sem pressão e sem cobranças. Para mim, a disciplina foi o determinante para obter a aprovação.

O que fez para superar as dificuldades? Auto controle, tentei ser mais confiante e acreditei em mim. Conversei comigo mesma e com familiares…. É importante acreditar que esse é o único caminho para a aprovação e que obtê-la é apenas questão de tempo.

Contexto de aprovação

– como soube da notícia? Soube da aprovação pessoalmente, logo após a prova oral.

- onde estava? Estava no Plenário do TRT da 21ª Região.

– o que sentiu no momento em que recebeu a notícia? Vontade de chorar e gritar. Alegria incontida e logo depois um medo, um vazio: E agora??? Acabou?? Será que eu serei uma boa magistrada?

– o que fez em seguida? Voltei para João Pessoa-PB, de carro, com meus pais.

– como foi a comemoração? Não fiz comemoração específica. Fiquei em casa, com a família, em verdadeiro estado de euforia. Acredito que não fiz nenhuma festa porque residia em João Pessoa, em virtude da aprovação no concurso da PGE e todos os meus grandes amigos, da época da faculdade, moravam em Fortaleza, Ceará.

Conselho aos candidatos:

O que diria para alguém que estivesse começando a estudar para concursos e lhe pedisse um conselho? Trabalhar a autoconfiança e ter muita, mas muita disciplina. Encarar os estudos com seriedade, como se fosse um emprego, com horário de entrada, intervalo e saída.

O que diria para alguém que estivesse estudando há algum tempo e lhe pedisse um conselho? Estudar todos os dias, nem que sejam algumas horas. Procurar livros de leitura fácil, buscar identificação com o estilo de escrita do autor. Aconselho, também, a leitura de artigos da internet (de sites jurídicos), bem como acompanhar as notícias dos sites dos Tribunais Superiores.  Costumava fazer essa pesquisa na internet aos finais de semana, ou então durante algum dia na semana, no período da noite.

PS: siga a Dra Rita Manzarra no Twitter clicando aqui!

19 comentários até agora. Deixe o seu.

  1. Eneida disse:11 set 2011 às 10:18 am · Responder

    Estudo para concursos há um ano e meio e que bom ler um depoimento desses…mudamos de nomes e de cargos, mas a história é sempre a mesma: mesmo nos momentos de desânimo, não deixar de acreditar na concretização do objetivo. Obrigada, Maria Rita… hoje você acrescentou mais uma grande dose de incentivo ao meu objetivo!!!

  2. Maria valdineide da silva disse:18 out 2011 às 8:04 pm · Responder

    Sr.Maria rita manzarra de moura, como relata a senhora, que chorou muito e,sofreu bastante para chegar onde chegou. Eu maria valdinede fico feliz pelo seu susesso, mais lamento informar que hoje faz pessoas inocentes chorar de um modo diferente do seu, por ex. como eu! Que me sinto vitima das suas injustiças.

    • Vilaca disse:6 out 2013 às 4:30 pm · Responder

      Escuta teu próprio coração. Aquilo que nos outros te magoa está dentro de ti mesmo.

  3. Marcondes Barbnosa Nascimento Júnior disse:3 jun 2012 às 1:47 pm · Responder

    Que bom ver, essa tamanha dedicação e esforço. Tenho apenas 18 anos e estou indo para o 2º Perído de Direito, porém a minha vontade de me tornar um Promotor já vem de muito tempo, mesmo antes de estudar numa area específica. Aos poucos estou lendo as experiências de quem já passou, e estou conciliando os estudos da minha grade e estudando já para futuros concursos. ! isto de fato só nos estimula mais. Sucesso, que um dia possamos nos encontrar ( rsrs )

  4. Jessica disse:21 fev 2013 às 3:05 pm · Responder

    Maravilhoso seu depoimento espero um dia também escrever um. Estou no 1º período e meu grande sonho é seguir a carreira da magistratura, quais as atitudes que devo tomar e como devo me preparar desde agora?

  5. Paulo disse:8 jun 2013 às 4:40 pm · Responder

    Se for a moça da foto que gata, linda.

  6. Joyce disse:16 jun 2013 às 3:27 pm · Responder

    Muito obrigada pelo seu depoimento! Sucesso hoje e sempre.

  7. Gustavo Coutiho disse:2 jul 2013 às 10:13 am · Responder

    Linda desse jeito, continua solteira?

    • josue disse:25 mai 2014 às 2:22 pm · Responder

      A mulher somente ligava para estudar como ela iria arranjar um namorado.

  8. Tiago disse:20 jul 2013 às 11:47 am · Responder

    Parabéns Drª!

  9. Pablo Nunes disse:23 jul 2013 às 2:16 pm · Responder

    Parabéns pelo seu depoimento. Deveras, ele foi muito inspirador para quem, como eu, também almeja fazer concurso para a magistratura (no meu caso, para a federal). Em algumas passagens, como, por exemplo, quando a senhora menciona as dificuldades de ordem pessoal (momentos de pessimismo ou de falta de confiança) eu me identifiquei muito e achei realmente admirável sua iniciativa de compartilhar suas angústias durante sua preparação para o concurso. Saber que a senhora conseguiu superar esses obstáculos e passar no concurso que tanto desejava, dá ânimo e renova as esperanças de quem está enfrentando o árduo caminho da preparação. Parabéns pelo seu exemplo de determinação e perseverança. Que a senhora seja muito feliz em sua carreira.

  10. Marlan Veloso disse:19 out 2013 às 3:19 pm · Responder

    Rita

    Sua “história” é maravilhosa. Parabéns!!!!!!!!!!!!

  11. Isabela disse:16 jan 2014 às 6:12 pm · Responder

    Minha ídola !!! Quero ser juíza do trab. igual a ela !!!

  12. Cássia Silva; disse:10 mar 2014 às 12:27 am · Responder

    Dra Rita Manzarra.
    Fico maravilhada com histórias assim como a sua, como a nossa. Já passei dos 45 anos, mas somente agora pude estudar direito, onde curso o sétimo semestre. A luta é árdua, e muitas vezes só me sobram os horários da madrugada para poder estudar, mas sigo confiante que alcançarei o meu objetivo. Passar na Magistratura Trabalhista. Deus nos ajude a todos e nos dê forças para VENCER !
    Um forte abraço fraterno e muito sucesso !

  13. Denise Bueno disse:17 mai 2014 às 10:12 pm · Responder

    Maravilhoso seu depoimento e dicas, fico mais confiante

  14. Maria Fátima disse:14 out 2014 às 2:04 am · Responder

    Obrigada por compartilhar sua jornada …. estava desmotivada mas renovei a esperança de que este sonho da aprovação é possível…Abraço!

  15. Lilian da Silva Teixeira disse:24 nov 2014 às 1:05 pm · Responder

    Ver que é possível, faz agente encorajar deixar o desânimo de lado…e andar mais uma milha!!!!!!dose de ânimo para meus dias de concurseira…

  16. Yara disse:11 set 2015 às 2:49 pm · Responder

    Gostei muito do seu depoimento!!! Se Deus permitir em breve serei sua colega de profissão!!! Abç

  17. David da Silva Santos disse:27 dez 2015 às 11:20 am · Responder

    Carreira brilhante! Parabéns, mas e o material de estudo, para ser juiz da vara da infância e juventude, por exemplo, que livros eu estudo?

    Obrigado, e feliz ano novo.

Deixe um Cometário