Depoimento do Aprovado: Procurador Moisés Andrade (PGE-PR)

Por  •  19 jul 2012  •  Relato do Aprovado  •  47 Comentários
relato do aprovado no concurso público depoimento de quem passou em concursos públicos pge pr procuradoria moisés andrade.jpg

Nome: Moisés de Andrade.

Cargo aprovado: Procurador do Estado do Paraná. 

Idade: 31 anos.

Situação Familiar: Moro com minha noiva.

Cidade onde mora/lotação:  Curitiba-PR. Nos últimos seis meses, em razão de aprovações em concursos anteriores, morei aindaem Porto Alegre-RS e Santa Rosa do Sul-SC.

Cidade de origem: Tubarão – SC.

Formação: Comecei o curso de Direito em 1999, na Universidade Federal de Santa Catarina, mas, em razão de compromissos pessoais e profissionais, voltei para minha cidade natal, trancando o curso diversas vezes. Somente mais de 10 anos depois do início eu concluí a graduação. 

Data de conclusão da graduação: agosto de 2009.

Cargos ocupados anteriormente: Oficial de Justiça e Avaliador no TJSC e Auditor Público Externo no TCE-RS.

Concursos nos quais foi aprovado: Técnico Administrativo Municipal, Consultor Jurídico de Câmara de Vereadores, Oficial de Justiça e Avaliador, Procurador de Município, Auditor Público Externo de Tribunal de Contas e Procurador do Estado.

Data de aprovação no cargo atual: 16 de outubro de 2011.

Quando começou a se preparar para o concurso atual: Especificamente para este concurso eu estudei menos de um mês, mas já estudava há quase dois anos para advocacia pública. Quanto tempo alguém estuda para ser aprovado é uma dúvida que aflige a quase todo concurseiro. Em minha opinião, a resposta a esta questão não é dada em números, mas em pelo menos duas importantes lições. Primeiro, tudo que você aprendeu ao longo da vida conta. Quanto mais “treinado” estiver o seu cérebro, melhores serão seus resultados. Disto decorre a segunda lição: está esperando o que? Eu levei dez anos para concluir a graduação, na maior parte dela não me dediquei minimamente. Mas, quando a “ficha caiu”, corri atrás e consegui o cargo que queria.  Como dizia o antigo “slogan” da universidade em que me formei: “Nunca é cedo para começar, nem tarde para recomeçar.”

Como estudou:
  – montou planejamento? Sim. Para mim este é o ponto inicial de qualquer projeto de aprovação. O planejamento estrutura sua preparação, da bibliografia até a roupa que vai usar no dia da prova. Porém, é bom ter claro que o planejamento deve ser um guia, não uma coleira. Em outro momento posso passar com mais detalhes minha sequência de planejamento (fico à disposição no twitter e no facebook). Em síntese, procurava traçar um círculo de melhora constante: (1) você planeja; (2) executa; (3) avalia os erros e acertos do plano e da execução; (4) aprimora o planejamento; (5) põe em prática a execução aprimorada. E assim vai, sucessivamente. O ponto central disto: nunca se é, sempre se está.
  – fez cursinho? Quantos? Fiz um cursinho telepresencial e acho interessante para o início da preparação ou para uma prova específica. Para quem tem dificuldade em fazer o estudo render sozinho, pode ser uma solução no longo prazo.
 - estudou em grupo? Eu participei de grupos para compartilhar material de estudo e tirar dúvidas. Acho útil, mas tem de se tomar cuidado para não ser um fator de dispersão (excesso de mensagens, debates sobre coisas que não as matérias, etc).
  – estudava em biblioteca? Poucas vezes.
 - estudava quantas horas por semana? Minhas metas variaram de 30 a 50 horas por semana, dependendo do tempo livre. Também estabelecia metas de páginas lidas, mas isto variou muito. Confesso que não era incomum eu descumprir as metas. Quanto a este tema, acho que é importante estabelecer metas bem realistas, evitando frustrações. De qualquer modo, mais importante que a quantidade de estudo é a qualidade do estudo. O foco tem que ser estar com a matéria na mente durante as provas, é isto que traz a aprovação. Não tem nenhuma etapa de concurso que atribua pontos a quantas horas você estudou. 

Erros que considera ter cometido: Se o planejamento é o ponto inicial, uma boa gestão emocional é o combustível para se manter caminhando. Os maiores erros que cometi ocorreram por falhas neste ponto. Vivia angustiado com a expectativa de sair o edital que estava esperando. Aparecia um edital qualquer e eu me sentia tentado a interromper a preparação de longo prazo para fazer aquele concurso. Tudo isso dificultava bastante o cumprimento do planejamento, além de causar um desgaste emocional muitas vezes estafante.

O que faria diferente: em uma palavra: relaxaria. Não adianta se preocupar com coisas sobre as quais não tem controle, tampouco tentar estudar em semanas o que é para ser estudado em meses ou anos. Valendo-me de uma idéia defendida pelo autor deste blog, é mais produtivo (e menos enlouquecedor) encarar a preparação como um processo. Tudo que você estuda vai somando no seu saldo de conhecimento.

Houve momentos de desânimo? Sim. É sempre frustrante não conseguir o que quer, seja uma meta de estudos não cumprida ou uma reprovação. Nunca vou me esquecer do dia em que – após ver o resultado definitivo do concurso para PGE-RS, sendo reprovado na última fase por poucos pontos – literalmente caí ao chão e chorei. Mas, passado o “luto”, escrevi numa folha que pus na parede de meu quarto: Faça dos escombros de sua derrota degraus para sua vitória.

Chegou a pensar que não passaria? Não. Por mais que tenha havido momentos difíceis, sempre acreditei que minha hora chegaria. Estava totalmente comprometido com meus objetivos, procurava melhorar constantemente, sabia que era questão de tempo.

Principais dificuldades. Quais foram? Vivenciei duas circunstâncias bem distintas. Num primeiro momento eu trabalhava, tinha razoáveis condições de me manter, mas pouco tempo para estudar. Depois fiquei desempregado (involuntariamente), aí tinha tempo para estudar, mas o dinheiro era contado. Com o tempo, deixou de ser contado para nem ter o que contar, gerando um desgaste que acabava prejudicando o aproveitamento do tempo.

O que fez para superar as dificuldades? Uma mensagem do livro “A Lição Final” traduz bem o que procurei fazer: Você não escolhe as cartas que vai receber, você joga o melhor que puder com as cartas que tem na mão. Não procure desculpas para fraquejar, encontre motivos para se fortalecer. É preciso manter o sonho vivo. Depois de semanas e meses sentados sozinhos em nosso local de estudo, as imagens de uma carreira estável e bem remunerada ficam distantes. Mas, falando como aprovado, posso afirmar que é aquela cadeira gasta que vai levar você ao encontro dos seus sonhos. Esta é a “mágica” dos concursos, é o tempo dedicado em uma condição espartana e solitária que nos leva a uma situação onde podemos aproveitar o melhor da vida e ter orgulho da posição que conquistamos por nosso mérito.

Algum detalhe do dia da prova a mencionar:  a aprovação no concurso para Procurador do Estado do Paraná foi a mais inesperada de minha vida. Na prova dissertativa, transcrevi por engano uma resposta de Direito Tributário no espaço para responder uma questão de Direito Processual Civil. Havia 30 linhas para resposta e restaram pouco mais que 2. No momento em que vi o erro, meu nome era desespero, pensei seriamente em desistir da prova, visto que era quase impossível fazer o mínimo na matéria sem uma boa pontuação naquela questão. Depois de um tempo de reflexão, resolvi fazer aquilo que creio que todo concurseiro deve fazer diante da adversidade: não desisti e fiz o melhor que pude. Felizmente, o resultado foi positivo.

Contexto de aprovação:
- como soube da notícia? Pela internet, vi no site oficial do concurso.
- onde estava? Logo após as 18 horas, horário em que eram publicados os resultados, tentei acessar o site oficial. Não consegui. Resolvi sair para diligências (neste momento era Oficial de Justiça), até para espairecer. Somente após as 20 horas cheguei em casa e fui acessar o resultado. Procurei ficar resignado com a expectativa de reprovação (em razão do erro cometido na prova dissertativa). Mas era inevitável uma ponta de esperança.
- o que sentiu no momento em que recebeu a notícia? Quando vi meu nome na lista de aprovados, passou um filme em minha cabeça. Cada tropeço, cada dia de renúncia. O incentivo e o sacrifício das pessoas que me apoiavam. Vi que todos os dias de esforço e todos os momentos de superação valeram a pena.
- O que fez em seguida? Liguei para minha namorada e para meus pais. Foi inevitável lembrar das vezes em que chorei junto com eles por reprovações ou outras decepções, mas desta vez o choro era de alegria. Lembrando destes momentos, peço a todos que ainda estão em busca de seus cargos dos sonhos: não desistam nunca, sigamem frente. Vocês vão conseguir e vão ver que todo o esforço vai ser bem recompensado.
- como foi a comemoração? O primeiro compromisso foi ir a uma igreja que fica a mais de 150 km de onde eu estava, cumprindo uma promessa que havia feito. Depois, no fim de semana, houve um jantar em família para comemorar.
- outros detalhes que queira mencionar sobre o contexto da aprovação: Antes de iniciar minha caminhada concurseira, tive algumas decepções profissionais. A cada tombo, você pode apenas ficar com raiva da vida ou tentar aprender novas lições. De qualquer modo, você não pode mudar o que já passou, mas pode agir agora para construir o que vem pela frente.

Conselho aos candidatos:
O que diria para alguém que estivesse começando a estudar para concursos e lhe pedisse um conselho? Não há fórmula mágica, mas a aprovação está ao alcance de todos. É preciso comprometimento. Seja leal a si e aos seus objetivos. Discipline-se. Se o planejamento é o ponto inicial e a motivação é o combustível, a disciplina é o que faz você permanecer nos trilhos para aprovação. “Controla a vontade, gerando um clima de disciplina para os teus hábitos (…). A vontade bem canalizada consegue realizações gigantescas. Conduze-a, pois, com sabedoria.” (Joana de Angelis)
O que diria para alguém que já estivesse estudando há algum tempo e lhe pedisse um conselho? Seja franco consigo. Trabalhe para reconhecer, assumir e corrigir erros o mais rápido possível. Não é porque algo tomou muito tempo e esforço que isto tem de ser continuado. Reavalie constantemente e persevere sempre. Como já disse Thomas Edson: “o caminho mais curto para o sucesso é sempre tentar mais uma vez”. O trabalho do Professor Rogério Neiva é um grande aliado nesta caminhada, aproveite-o. Com o tempo o caminho ficará mais fácil, isto porque você ficará mais forte e conhecerá melhor a trilha. Mas é necessário continuar caminhando, corrigindo os pequenos desvios e procurando terminar a semana melhor do que começou. A aprovação já é sua, ela está ao seu alcance, basta perseverar sempre, melhorar constantemente e acreditar nela de forma inabalável.

PS (minhas observações): primeiramente, parabenizo o Dr Moisés pela brilhante trajetória! O relato fala por si. Em segundo lugar, agradeço a dedicação e comprometimento que teve com os leitores do Blog, na cuidadosa elaboração deste relato. Espero que inspire a todos! Inclusive quanto ao espírito colaborativo com aqueles que estão na caminhada da busca da aprovação.

Contatos do Dr Moisés nas Redes Sociais (clique nos links abaixo):

Facebook

 Twitter

47 comentários até agora. Deixe o seu.

  1. Tavares disse:19 jul 2012 às 9:45 am · Responder

    Parabéns Moisés!!! Tenha muito sucesso na sua carreira e na vida pessoal! Este foi um dos melhores relatos que já vi aqui!

    • Renata disse:19 jul 2012 às 11:11 am · Responder

      Concordo com o Tavares, realmente um dos melhores relatos do blog.
      Palavras seguras e consistentes. Parabéns Moisés! Vitória mais do que merecida!

  2. Eliana Garcia disse:19 jul 2012 às 9:47 am · Responder

    Prof Neiva, muito bom o relato do Dr Moisés! Que ele seja muito feliz.
    Me deu uma enorme injeção de ânimo. Estes relatos nos fortalecem e nos fazem aumentar a crença de que um dia estaremos no rol de aprovados.
    E fique sabendo que também vou dar meu relaro quando for aprovada.
    Desejo toda feleicidade do mundo ao Dr Moisés!

  3. Ronaldo disse:19 jul 2012 às 9:49 am · Responder

    Viram o que ele disse: ter pé no chão e não buscar fórmula mágica! Resumindo tudo isto ele também disse: sigam os conselhos do Neiva.
    Está aí! Disse tudo e mostrou que está certo com o resultado.
    Parabéns Moisés! Tudo de bom para você e sua noiva!!!

    • Carlos Antonio disse:19 jul 2012 às 10:03 am · Responder

      Ronaldo, deixa a turminha da auto ajuda de lado, para que eles fiquem se enganando. Enquanto isto, nós seguimos os conselhos do Neiva, fazemos a nossa parte e um dia estaremos aqui para confirmar ainda mais o relato do Dr Moisés e tantos outros que rejeitam as fórmulas mágicas.
      Parabéns ao Dr Moisés!

  4. Paulo disse:19 jul 2012 às 9:50 am · Responder

    Muito bom este relato! Realemente o Dr Moisés se empenhou para nos ajudar com esta enorme injeção de ânimo.
    Parabéns e obrigado!

  5. Carla Peixoto disse:19 jul 2012 às 9:51 am · Responder

    Prof, já estava com saudades dos Relatos aqui no Blog.
    Este foi espetacular!
    Parabéns Dr Moisés! Sucesso, saúde e felicidades!!!
    Bjim!
    Carla

  6. Nayara disse:19 jul 2012 às 12:11 pm · Responder

    Incrível! Fiquei inspirada numa semana tão difícil. Os relatos são bons para continuarmos com a vontade de estudar. Parabéns!

  7. Moisés de Andrade disse:19 jul 2012 às 1:24 pm · Responder

    Reprisando o que acabei de escreve no Facebook:
    “Muito obrigado ao Professor Rogério Neiva pela oportunidade. Procurei fazer o melhor que podia. Espero poder retribuir a todos pelo carinho e ser realmente útil.”

    P.S.: Vou poder interagir melhor durante a noite e principalmente no final de semana. É uma honra poder colaborar.

  8. Arcângelo Felisberto disse:19 jul 2012 às 3:15 pm · Responder

    Parabéns ao meu ex- colega de trabalho Moisés pela conquista, esta é mais uma prova que com dedicação e muito esforço podemos tornar nossos sonhos uma realidade. Também passei muito tempo em abdicando de muitos momentos com a família, festas e diverssões para ficar estudando para concursos púbicos. Parabéns Moisés. Um grande abraço.

    Arcângelo Felisberto – Contador da Fazenda Estadual/SC

    • Moisés de Andrade disse:19 jul 2012 às 11:00 pm · Responder

      Muito obrigado pelas palavras, Arcângelo. Este é também um concurseiro vencedor, além de um dos melhores profissionais com quem já trabalhei, fora que é um grande cara.

  9. Fernanda disse:19 jul 2012 às 9:37 pm · Responder

    Definitivamente esse depoimento foi o melhor que já li….impressionante o quanto chorei em cada vírgula. Choro de esperança sabe, me fez acreditar mais ainda que é possível conseguir a aprovação.
    Dr. Moisés, muito obrigada de coração, por todas as palavras ditas nesse relato!!
    Que Deus o abençoe nessa caminhada…grande abraço

  10. Moisés de Andrade disse:19 jul 2012 às 11:12 pm · Responder

    Fiquei sinceramente emocionado com as palavras de vocês. Como eterno concurseiro, tinha que fazer o meu melhor.
    Sigam firmes. O estudo para concurso tem um tanto de “efeito tostines”: quanto mais você estuda, mais o estudo rende; quanto mais o estudo rende, mais você estuda.
    Creio que isto tenha a ver com o conceito de “plasticidade mental”, bem trabalhado pelo Prof. Rogério.
    Boa sorte a todos.

  11. Alan Delon disse:19 jul 2012 às 11:37 pm · Responder

    Parabéns, ótimo depoimento!
    sem dúvidas, vai me ajuda bastante nessa minha caminhada!

  12. Helga Oliveira disse:20 jul 2012 às 1:14 am · Responder

    Inspirou com certeza. Gostei de ver citação de Joana de Angelis também. :)

  13. Mara Pessoa disse:20 jul 2012 às 2:16 am · Responder

    Meu Deus, um dos depoimentos mais bonitos que vi por aqui, quiçá o melhor!! Até chorei, pois me identifiquei totalmente… Também perdi o emprego involuntariamente e estou na batalha todos os dias, estudando com afinco, em média, 6 – 8 horas por dia. Às vezes, bate um desânimo (não dos concursos, mas pelas dificuldades vivenciadas)… Tenho a impressão de que ser servidora pública é tão distante de minha realidade que até esqueço se isso é algo atingível. Mas, um dia, com as graças de Deus, certamente será (espero que logo). Em breve estarei relatando algo assim, pois também almejo a advocacia pública, mas, em razão das dificuldades (em razão do desemprego, como falei, além da falta de grana), estou me preparando para tribunais. Por falar nisso, me dê um auxílio, por favor. Diante da minha condição, vale a pena focar na advocacia pública ou é melhor continuar a focar apenas em tribunais? Pelas questões que resolvo, por incrível que pareça, sinto bem mais facilidade e domínio em questões de procurador, juiz, promotor, do que para analistas de tribunais (não que sejam difíceis, pelo contrário, são até mais fáceis, mas é como se “me sentisse em casa” com aquele tipo de questões acima relatado). O que me diz? Parabéns pelo belo depoimento e sucesso! Que Deus, em sua infinita bondade, abençoe sempre o seu caminho.Tudo de melhor para você! Abs!

    • Moisés de Andrade disse:21 jul 2012 às 10:28 pm · Responder

      Em primeiro lugar, obrigado pelas palavras elogiosas.
      Vivi dúvida semelhante a sua, foi o que me levou ao concurso para Oficial de Justiça, que foi o primeiro cargo que ocupei por concurso.
      É uma avaliação bastante individual, que tem a ver com suas perspectivas, situação financeira, condição familiar, etc.

      Minha avaliação pessoal: se passar em um concurso, neste momento, é essencial para você ter uma estabilidade que permita até mesmo estudar melhor, acho que é melhor focar em algo que exija menor carga de leitura para aprovação.
      No geral, tribunais exigem menor aprofundamento, mas também cobram matérias fora do Direito.
      Por uma questão de honestidade, não tenho como fornecer uma resposta pronta.

      Você pode focar num concurso degrau (tribunais ou outros cargos com menor quantidade de leitura, o que pode até incluir algo de advocacia pública) ou fazer vários concursos de advocacia.

      Reflita bem e faça aquilo que vai dar maior tranquilidade, permitindo que o caminho de concursos fique um pouco mais leve

  14. Thiago Costa disse:20 jul 2012 às 1:05 pm · Responder

    Ótimo relato!

    É sempre vivificante ler que o caminho da aprovação, embora cheio de percalços se levado a sério com disciplina, metódo, organização, estratégia nos levaram aos nosso objetivos.

    Agradecimentos e abraços ao Moisés que abriu o seu mar vermelho e ao Professor Rogério Neiva pelo profissionalismo e por ter elevado a preparação para concurso público ao nível científico, mensurável e comprovavél.

    Grande abraço!

  15. Todos os colegas da Casa Civil! disse:20 jul 2012 às 3:12 pm · Responder

    Queridíssimo Dr. Moisés,

    Parabéns pelo maravilhoso depoimento, que demonstra que adversidades não são motivos para desistir… Cada um enfrenta seus problemas, mas a vontade de chegar lá – aqui – é o combustível essencial para conseguir fazer essa transição!
    Estamos todos muito orgulhosos de você e ratificamos cada uma de suas palavras!

    • Moisés de Andrade disse:21 jul 2012 às 10:46 pm · Responder

      Tem sido a experiência mais rica de minha vida conviver com profissionais e seres humanos como vocês.
      Este foi um bônus da aprovação, aprender muito e ganhar grandes amigos.
      Muito obrigado!

  16. Raoni Carvalho disse:20 jul 2012 às 6:50 pm · Responder

    Congratulações pelo sucesso alcançado! Muito bonito seu relato!

  17. Rafael Miranda disse:23 jul 2012 às 9:21 pm · Responder

    Olá, tudo bom? Li teu relato no blog do Prof Rogério Neiva, meus parabéns! É uma carreira muito interessante e pouco valorizada frente aos demais concursos, penso até mesmo em fazer. Vou aproveitar que você ainda é um concurseiro afiado e te fazer uma pergunta que vem me atormentando nos últimos 10 dias, exatamente por ser simples, acho que são as piores… Posso? hehe.

    Vi que caiu em uma prova oral para juiz federal e fiquei surpreendido pela dificuldade em se encontrar definições claras na doutrina.

    1. Qual a distinção entre personalidade e capacidade?
    a. As expressões são sinônimas?
    b. Dê exemplos de capacidade de direito sem personalidade

    Por favor, me ajude. :(

    • Moisés de Andrade disse:26 jul 2012 às 12:35 am · Responder

      Vou procurar contribuir da forma que me parece mais simples e didática, de modo coloquial e sem qualquer pretensão de esgotar o assunto.

      Atualmente, e penso que seria este um possível gabarito de concurso, a visão mais técnica considera que os conceitos de personalidade e capacidade não se confundem.

      Respondendo

      1. Distinção (sinteticamente):

      Capacidade Jurídica = é a capacidade de ser sujeito de direitos e deveres (capacidade de direito) e a capacidade para exercer direitos (capacidade de exercício).
      Ressalte-se que é reconhecida capacidade jurídica a entes sem personalidade jurídica (por exemplo, condomínios e alguns órgãos estatais).
      Pode-se afirmar, assim, que todos que tem personalidade também tem capacidade, mas nem todos que tem capacidade tem personalidade.

      Porém, também o conceito de personalidade jurídica não se esgota com a capacidade, pois:
      Personalidade Jurídica = Capacidade Jurídica + tutela dos direitos de personalidade.
      Isto é, a personalidade inclui não apenas a capacidade, mas também a tutela jurídica aos direitos de personalidade, direitos específicos de quem é considerado pessoa (como consta do art. 11 e seguintes do Código Civil, embora tal rol não seja exaustivo).

      Personalidade é um conceito absoluto, existe ou não existe, enquanto a capacidade é um conceito relativo, pode-se ter mais ou menos capacidade.

      2. Deste modo, a vista das distinções entre os dois conceitos, capacidade e personalidade não são sinônimos.

      3. Como já colocado, são exemplos de capacidade sem personalidade os condomínios e alguns órgãos estatais.

      Espero ter ajudado.

      Abraços!

  18. Rafael Miranda disse:28 jul 2012 às 12:32 am · Responder

    Moises, obrigado pela humildade de responder. Eu estava pensando nisso mesmo, fiz a distinção traçando a personalidade como conceito absoluto – atribuição genérica para ser titular de direitos e deveres na ordem civil – enquanto capacidade como conceito restrito, medida jurídica da personalidade, manifestada na possibilidade de ser sujeito de direitos e exercer pessoalmente os atos da vida civil – cap. de direito (capacidade de ser sujeito de direitos) + cap de fato (exercer pessoalmente).

    Também tratei dos entes despersonalizados.

    Abraço, precisava de um norte para esclarecer esta matéria! obg.

  19. Lorena disse:9 ago 2012 às 8:34 pm · Responder

    Parabéns Dr. Moisés. Caso leia o meu comentário, fique sabendo que sua sinceridade foi um presente a nós estudantes que, por vezes, nos sentimos tão distantes do tão sonhado cargo. A sua franqueza ao reconhecer os seus momentos de falha e desânimo, nos faz ver que quem consegue um cargo bacana é tão ser humano, suscetível de erros, quanto nós. Quero externar aqui minha admiração, assim como adiro o Dr. Rogério. Vocês que, mesmo depois de ter alcançado a tão sonhada vaga, se preocupam e gastam parte do tempo de vocês para nos ajudar com esses conselhos e dicas tão especiais. Parabéns… seja muito feliz :-)

  20. Márcia Bispo disse:14 ago 2012 às 11:02 am · Responder

    O melhor depoimento que já li!!

  21. Jardel disse:18 ago 2012 às 12:33 pm · Responder

    Este site é o melhor que existe!!!! Cada relato me fortalece cda vez mais!!! OBRIGADOOOO

  22. Julia Tenorio disse:29 set 2012 às 6:58 pm · Responder

    Olá… sou estudante de Direito do 2º período, sou aqui de Petrolina-PE; não sei nem ao certo o que faço aqui diante de graduados, advogados e concursados, hehehehe! Eu sonho em ser procuradora, adoro ler depoimentos de pessoas como Dr. Moisés que demonstram todos seus esforços, toda a luta, todos os obstáculos que precisou ultrapassar até atingir a realização de um sonho profissional. Eu sempre leio o blog do Dr. Neiva, acho muito importante essa força que vocês são para os concurseiros e o exemplo que são para qualquer estudante de Direito. Parabenizo Dr. Moisés pela conquista profissional e pela iniciativa aqui no blog, que Deus ilumine seus caminhos.
    Apesar de ser iniciante na aréa me sinto fortalecida lendo os depoimentos. Obrigada

  23. Anne disse:7 out 2012 às 4:22 am · Responder

    melhor relato que já vi no site, pois me identifiquei em diversas passagens! inspirador! muito obrigada por compartilhar!

  24. FERNANDO CASTELO (PGE - PR) disse:11 out 2012 às 9:51 pm · Responder

    Prezado Colega Moisés,

    Não tenho vergonha de dizer que chorei lendo suas palavras, é inevitável não olhar para trás e ver que tudo que passamos, todas as privações, valeram a pena.

    Tampouco pude esquecer do seu belíssimo discurso quando do nosso compromisso perante à Ordem, antes da nossa posse.

    Sem dúvida sucesso é o mínimo que você merece.

    Meus Parabéns Dr. Moisés. Forte Abraço!

    • Moisés de Andrade disse:12 out 2012 às 8:19 pm · Responder

      Muito obrigado, amigo. Quando falamos de nossas experiências é que percebemos o quanto compartilhamos com todos aqueles que percorreram caminho semelhante.

      Obrigado pelas palavras!

  25. Ingrid Priscila disse:4 nov 2012 às 10:32 am · Responder

    Dr. Moisés

    Primeiramente, quero lhe parabenizar pela brilhante lição de vida.

    Dizer, também, que para mim é um desafio muito grande montar um plano de estudo, pois já tentei de várias formas e ainda não conseguir. Assim, gostaria de pedir sua ajuda.

    Grata,

    Ingrid.

    • Moisés de Andrade disse:11 nov 2012 às 11:04 pm · Responder

      Ingrid, muito obrigado pelas palavras. Orientação sobre plano de estudos foi o pedido que mais recebi e estou em dívida com alguns. Pretendo escrever um texto mais completo sobre o assunto, mas, por ora, posso trocar ideias sobre questões pontuais.
      Preliminarmente, devo dizer que a maior parte de minha base conceitual sobre planejamento de estudos vem do trabalho do Professor Rogério Neiva, que é sempre muito útil.
      Bom, para iniciar qualquer planejamento (1) você tem que primeiro decidir o que está buscando. Definir o(s) cargo(s) meta(s) é algo básico e muitas vezes ignorado.
      Depois, (2) o primeiro e mais importante recurso é o tempo, então bote no papel quais períodos de dias você têm disponível para estudar numa semana.
      A seguir, sugiro tentar saber em que ponto do caminho para aprovação você está, (3) fazendo uma (no máximo duas) provas completas do(s) cargo(s) que você quer.
      Feito estes três primeiros passos, (1) você já sabe onde quer chegar, (2) tem a delimitação do tempo por onde vai distribuir seus períodos de estudo e (3) já tem uma ideia de seus pontos fracos e fortes, isto de acordo com as provas anteriores. Naturalmente, algumas etapas podem ser invertidas para adaptar ao perfil de cada um.
      Paro por aqui porque não sei exatamente o que você precisa e também por ter que aprimorar o texto sobre planejamento como um todo.
      Fico disponível para ajudar!

      • Moisés de Andrade disse:12 nov 2012 às 11:10 pm · Responder

        Apenas um acréscimo óbvio, mas necessário. As sugestões apresentadas derivam de minha experiência pessoal e não devem ser consideradas mais que um relato dela própria. Assim, onde sugiro “isso” ou afirmo “faça aquilo”, leia-se eu fiz “isso” ou “aquilo”, nada além.
        Muito obrigado a todos!

  26. cyro jr disse:19 nov 2012 às 3:14 pm · Responder

    prezado dr moisés,
    parabenizo-o pelo emocionante relato, realmente foi uma trajetória respeitável.
    recentemente resolvi ingressar na fila dos concurseiros, pois pretendo ingressar na pgesp. sou casado e pai de dois filhos, já conto com 39 anos, sendo 15 dedicados à advocacia, e confesso que estou encontrando algumas dificuldades para os estudos, pois tenho pouco tempo disponível e dificuldade para seleção de material adequado.
    gostaria de receber noticias quando lançar o seu texto sobre planejamento, pois fiquei bastante interessado, e acredito que será bastante útil ao meu propósito.
    um grande abraço
    at
    cyro jr

  27. Adriano disse:23 nov 2012 às 12:16 am · Responder

    Prezado Dr. Moises, parabéns pela aprovação e pelo depoimento emocionante da sua trajetória até a o cargo almejado. Dr. gostaria de saber se o senhor estudava pra procuradoria ao mesmo tempo em que estudava pro tribunal de contas e se foi difícil conciliar as matérias não jurídicas exigidas no tribunal, pois no momento tenho o dia todo pra estudar e penso justamente em tentar conciliar estudo pra tribunais de contas e pra advocacia pública. Também gostaria de receber notícias sobre o planejamento de estudos. Muito obrigado!
    Adriano.

  28. Moisés de Andrade disse:6 fev 2013 às 9:36 am · Responder

    Prezados,

    Aviso que estou participando do espaço para convidados no site Jurisprudência e Concursos, escrevendo sobre Direito Constitucional.
    O endereço do meu espaço é este:
    . Além da apresentação, já foi adicionado texto sobre “Constitucionalidade do uso da gravação clandestina como meio de prova”.
    Espero que seja útil e conto com suas críticas e sugestões para melhorar o espaço.

    Também criei um facebook específico para falar sobre concursos (onde começarei trazendo tópicos de Constitucional e um relato mais detalhado de meu processo de planejamento), neste endereço:

    Por último, respondendo ao Adriano, eu só estudei matérias não jurídicas após o edital do TCE-RS (porque só aí decidi fazer o concurso). Mas, se fosse estudar no longo prazo, eu incluiria as matérias não jurídicas no planejamento, mas com um peso menor (sempre dava peso às matérias, em razão de sua extensão, complexidade e importância no concurso, neste caso eu adicionaria um novo critério, relativo às matérias jurídicas). Penso que assim você vai avançando nestas matérias, sem perder muito rendimento nas jurídicas.

    Só não se pode esquecer da questão do custo de oportunidade, isto é, o tempo que você dedica para matérias específicas de TCs devem aumentar suas chances de passar para TCs, mas, por outro lado, reduzem a velocidade de seu avanço nos estudos das matérias jurídicas. Em outras palavras, por um lado você amplia seu leque de possíveis concursos, por outro você vai ter menos conhecimento jurídico (no mesmo tempo de estudo) do que se estivesse estudado apenas Direito.
    É uma questão muito pessoal, naquele momento eu optei por apostar minhas fichas no estudo para o TCE-RS, pois queria passar em algum concurso o quanto antes, já que precisava de renda.

  29. charles carneiro de oliveira disse:10 mai 2013 às 10:30 pm · Responder

    Olá moisés de Andrade,gostaria de saber qual era seu método de estudo: quantas horas estudava por dia, quais dias estudava… Sempre procuro saber coisas a respeito sobre como passar em concurso público, principalmente agora que estou estudando pro concurso do tribunal de contas do estado pra nível médio.se puder me dar algumas dicas sobre como estudar pro concurso acima citado, ficarei muito grato.Parabéns pela ótima caminhada, que deus sempre esteja com você!

  30. Hudson Wesley disse:16 mai 2013 às 11:37 am · Responder

    Muito bom seu relatório,realmente uma lição de vida!…Ao ler ganhei grande inspiração em sua trajetória,muito obrigado por ter escrito um pouco sobre sua história até chegar a conquista,espero também conseguir chegar em meus objetivos,você me passou muita confiança!
    Eu sou Hudson Wesley,tenho 18 anos e ainda não sei bem o que pretendo fazer para meu futuro,nunca tive boas condições financeiras,e acredito que quem já nasce limitado,vai pra corrida atrasado,mas eu sempre tenho fé em Deus que tudo pode um dia ser diferente,basta se esforçar,por que “Sem sacrífico não há vitória”,então cara eu te agradeço mesmo por ter escrito sua trajetória,que foi difícil mas você não desistiu,e que por acaso eu li,e absorvi tudo que você transmitiu.
    Muito obrigado D.Moisés De Andrade

  31. Edicarlos Lacerda disse:13 jul 2013 às 10:45 am · Responder

    Dr. Moisés,
    Primeiramente gostaria de parabenizá-lo pelo seu sucesso! Estive lendo sobre a sua trajetória no mundo dos concursos, e fiquei completamente emocionado, ao mesmo tempo em que serviu me de inspiração na minha jornada que estará começando. Obrigado pelas palavras incentivadoras e felicidades em seu novo cargo.

  32. Erica Costa. disse:10 jan 2014 às 1:46 am · Responder

    Parabéns Dr. Moisés, fiquei muito feliz ao ler seu relato. Não restam dúvidas de que todo o seu empenho na busca da aprovação pelo almejado concurso, demonstrou que o doutor tem um espírito forte de Advogado Público. Sucesso!

  33. Danilo Mendes disse:24 abr 2014 às 4:20 pm · Responder

    oi Dr. Moisés, parabéns pelo relato. Gostei muito de ler sua história.Quando foi aprovado na PGE PR, você trabalhava como Oficial de Justiça? E como era seu regime de estudo? Vc foi aprovado depois de quantos anos de estudo para a advocacia pública?

  34. marcia valeria disse:22 mai 2014 às 6:11 pm · Responder

    Fico muito feliz por você.

  35. Moises Silva da Silva disse:18 jun 2014 às 5:20 pm · Responder

    Dr. Moisés, é tão gratificante parabenizá-lo que chega a ser emocionante. Ao inserir esse adjetivo (Dr.) ante seu nome, sonho em um dia assim fazê-lo no meu.
    Sei que a jornada é difícil e, às vezes, longa. Contudo, imagino que o sabor da vitória compensará todo esforço empreendido para consecução dos meus objetivos, os quais hora se afloram, se estimulam, ao ler seu depoimento.
    Além ratificar as congratulações pela conquista, parabenizo-o pela humildade e atenção dispensada para com os que se encontram no processo preparação para concorrerem e alcançarem a tão sonhada e desejada vaga no serviço público.
    Ofereço-lhe um forte e fraterno abraço.

    Moises

  36. ramilton gomes disse:1 fev 2015 às 12:31 pm · Responder

    muito
    bom gostei mesmo valeu pela dica muito positiva…

  37. Christiane Versiani disse:28 fev 2015 às 2:42 pm · Responder

    Parabéns pela perseverança e fé, não somente em Deus, mas em si mesmo!
    Expor sua trajetória, derrotas, aflições e sucesso somente adiciona às nossas vidas, pois mostra que não devemos desistir nunca!
    Só alcançam os que lutam!

    Abraco!

  38. Thiago kenji disse:2 fev 2016 às 4:59 am · Responder

    Moisés , parabéns pela aprovação e muito sucesso . Gostaria de saber qual a sua dica para quem vai prestar seu primeiro concurso público ? Críticos dizem que não é bom se empolgar no primeiro concurso, tendo em vista grandes reprovações . Agradeço desde já ! Obs: desculpem algum erro de pontuação .

Deixe um Cometário